Insulfilm no carro? Conheça as regras de aplicação da película automotiva

Publicado em: mai 14 2020 por admin

Insulfilm no carro: conheça as regras de aplicação da película automotiva

Segurança, privacidade ou estilo? A aplicação de insulfilm no carro tem uma série de benefícios que conquista grande parte dos motoristas, e concessionárias também. Segundo dados da empresa Avery Dennison, uma das grandes fabricantes do acessório, 80% dos veículos 0 km têm a instalação do insulfim antes mesmo de sair da concessionária para o dono.

Por isso, no conteúdo de hoje nós separamos algumas observações sobre o insulfilm no carro e quais são as principais regras de aplicação.

Vamos lá?

Insulfilm no carro: por que instalar?

É verdade que em um primeiro momento a função estética do insulfilm é o que mais chama atenção, afinal, vidros mais escuros dão um ar de sofisticação ao veículo. Mas os benefícios do insulfilm também vão além, como por exemplo:

Oferecer proteção solar: o item pode oferecer proteção contra raios ultra violetas (UV), que chega até a 99%. E aqui uma curiosidade: a proteção não é medida conforme o nível de intensidade da película, mas sim de acordo com o material utilizado.

Maior conforto térmico: sabe quando você deixa o carro estacionado em local aberto num dia de sol e ao retornar está um forno lá dentro? O insulfilm pode ser seu grande aliado nesse cenário, fazendo com o que o interior do veículo sofra menos com a temperatura externa.

Segurança e preservação: a segurança talvez seja o item que mais chama atenção para instalação do insulfilm. O conceito é de que, com um insulfilm escuro, não há como criminosos identificarem quem ou o que está dentro do veículo, evitando ações de roubo.

Quais são as regras do insulfilm?

A instalação de insulfim deve seguir a Resolução 254/2007 do CONTRAN, que “Estabelece requisitos para os vidros de segurança e critérios para aplicação de inscrições, pictogramas e películas nas áreas envidraçadas dos veículos automotores, de acordo com o inciso III, do artigo 111 do Código de Trânsito Brasileiro – CTB“.

A resolução prevê regras de aplicação, considerando a porcentagem de visibilidade oferecida após a aplicação da película. No mercado existem diversos fabricantes e diferentes graus de visibilidade, que vão dos mais translúcidos aos mais escuros e opacos.

As porcentagens mais prudentes apresentam até 95% de visibilidade, ou seja, oferece pouca proteção visual. Já as mais fortes podem chegar a apenas 30% de visibilidade.

Fique atento: cada vidro possui uma recomendação diferente

Essa é uma informação muito importante que você deve considerar ao instalar insulfilm no carro. Nem todo o veículo poderá ser homogêneo com relação à película, isso porque de acordo com a legislação, cada vidro possui diferente importância para a direção.

Os vidros do para-brisa e traseiro, por exemplo, são primordiais para a boa visibilidade do motorista em trânsito, além de contribuir para a observação das autoridades, caso necessário. Já os vidros das laterais possuem uma flexibilidade maior com relação ao insulfilm, mas ainda assim há especificações.

Vidros laterais dianteiros: a visibilidade precisa ser de no mínimo 70%

Para-brisa: a visibilidade deve obedecer à regra de no mínimo 75%

Vidros laterais traseiros: são os que permitem maior porcentagem de escurecimento. A regra exige pelo menos 28% de visibilidade.

Anota aí mais algumas considerações:

  • Toda película deve acompanhar indicação de visibilidade
  • O conhecido insulfilm G5 é proibido, uma vez que apresenta somente 5% de visibilidade

Como comprovar o percentual de visibilidade?

Uma das grandes dúvidas de donos de veículos com carros insulfilmados está na possibilidade de verificar a porcentagem de transparência e visibilidade da película. Existe um equipamento conhecido como Medidor de Transmitância Luminosa, utilizado pelas montadoras para verificar o real percentual do vidro original mais película instalada.

Fiscais de trânsito também possuem autorização para utilizar o equipamento, de acordo com a Resolução 253/2007 do CONTRAN. Entretanto, não é comum observar o item durante fiscalizações rotineiras, com isso, o fiscal se baseia apenas no seu conhecimento e experiência sobre o assunto.

Curtiu as regras? Continue acompanhando o blog Sigma para mais dicas do setor automotivo! Fique á vontade para sugerir conteúdos e compartilhar com os amigos.

 

Categoria: Dicas e Informações

Comentários